o início de um conto

o dia mal havia amanhecido quando as paredes da estrada já eram apenas árvores. no contrafluxo, os farois rumavam em ritmo obrigatório: destino cruel dos que trabalhavam no platô acima da serra. há tempos o motor não experimentava uma lufada tão pura de liberdade, o mais puro dos ares. os olhos, quase sem piscar, imaginavam um ponto ainda longínquo, que mais tarde se consubstanciaria em um par de olhos escuros feito os belos ocasos da região. como feixe inflado de rebeldia, afirmava-se na fresta do tempo uma mecha alourada em forma de trilha para a mais pura adição. acelerava cada vez mais profundamente, a degustar com o passar das placas a proximidade febril da quimera. quanto mais avançava, sentia a intensidade elevar-se à beira de um sorriso nervoso e incontido, logo convertido em gargalhada. havia muitos motivos para perder o controle, enquanto o volante mantinha-se na direção correta.

Anúncios

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em misturas. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s