gado

há um tubo
a sugar
rumo (ao) escuro

há um gado
cabisbaixo
ensimesmado
marcha lento
para o muro

há idosos
fadigados
um som alto
a tocar
vendedores
clandestinos
amores
repentinos
e olhares
fugitivos

escapismos
milimétricos
aforismos
tão poéticos
pregadores
tentam os céticos
em vão

telas tantas
dedos loucos
iluminismo
às cegas
faz do grito
sopro rouco

estações
o vaivém
cotoveladas
soçobram todos
rotina-peso
empurrões

há o caos
na próxima parada
jornada indelével
sem retrocesso
progresso-ilusão

até a volta,
ocaso.

Anúncios

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s