trauma

lança-te no penhasco, apronta-te!
ao percorrerem-te os dedos rubros do querer
quebra a tua imagem em mil cores espelhadas
ao beijar o vento verticalmente
da boca
aos pés

sabes que, ao revirar os peixes e mares
de um beijo
todos os relógios hão de retroceder
na tua saliva, que ebule,
evaporarão pecados de toda sorte,
reminiscências trêmulas
pela incerteza do pós
e do não

envolta nos tecidos, músicas e palavras,
uma teia se desenha
alcova-armadilha
expele o perfume silencioso
e murmura a voz-deleite: venha.

sobre teu peito, sabemos,
sedimentam-se flores cinzas,
versos arroxeados de um afogar
amador.

atira teu pulso primeiro contra o abismo
entrega-te ao permitir
que o relógio se lance no breu
e liberte tuas curvas
do outrora

canta as notas que te abraçam
abraça a cálida fome
a te devorar
entre vinhos, cigarros
e horas perdidas
desperta para o doce amargor
do pós
olha para o passado
sepulta os dias de antes
escolhe a miopia
para enxergar, de perto,
lábios-estrofes
lábios-barrocos
lábios-sorte
lábios-presente

sem amanhã.

Anúncios

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s