oriental

concedam-me a permissão, cortinas negras da noite
de vagar livre nas estranhas vielas do mistério
a seguir os passantes em solilóquio
contemplar as colunas infindas de mármore

observar o líquido caldo portuário
sob as réstias dos faróis
persegui-la sem que me perceba
ouvi-la sem que me diga
despi-la sem que apareça

ouvir o acender dos cigarros
os gritos pálidos dos edifícios
encontrar as vozes perdidas das calles
cegas, vadias, celestes

esperar a lâmina do oriente
os perfumes verdes do desvario
o portão nunca aberto
as águas terrosas do seu mar

permanecem, trancadas, as vozes agudas
que bradam
desenham
o descaminho do extremo
de onde, adiante,
mundo mais não há.

Anúncios

Sobre Rodolfo Araújo

Jornalista, amante do teatro, um (des)crente (in)constante.
Esse post foi publicado em poesia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s